O Brasil no Bocuse DOr

27/01/2017 | Fonte: O Estado de São Paulo /Online

Clique aqui para ler a matéria direto da fonte.

A alagoana Giovanna Grossi, de 25 anos, prepara-se para a competição na manhã da última quarta-feira (25), em Lyon, na França; a competidora terminou em 15º lugar, entre 24 países.

Na edição deste ano, familiares e amigos de Giovanna Grossi, entre outros brasileiros, preenchiam a plateia do Bocuse D'Or, dentro da feira Sirha, em Lyon.

Apresentação de 12 competidores na última quarta-feira (25), já que os outros 12 haviam se apresentado no dia anterior. Os 24 jurados ficam à frente deles, com um representando um país. Nos fundos à direita, o box de Giovanna Grossi. 

O pódio do Bocuse D'Or 2017, formado em primeiro lugar pelos Estados Unidos, em segundo lugar pela Noruega e, em terceiro, pela Islândia.

Dias antes da competição, Giovanna Grossi já estava na cidade de Lyon, França, para treinar e comprar ingredientes. Na foto, num dos mercados visitados.

Em toda competição, que é bienal, o pôster criado pela equipe de cada país é avaliado. Na foto, o de Giovanna, desenvolvido pela agência WMcCann. Neste ano, ganhou o pôster da Hungria. A Austrália ganhou prêmio pela melhor campanha de promoção, já a França, de melhor comim (o ajudante do competidor). 

Na competição, são sempre apresentados dois pratos, um de carne e um de peixe. Neste ano o Bocuse D’Or trocou o de peixe por um que deveria ser inteiramente vegetariano. Como opção de carne (com o uso obrigatório de galinha de Bresse), Giovanna apresentou prato que incluía lagosta, foie gras, castanhas brasileiras e tuille de tapioca, entre outros detalhes.

O lendário chef francês Paul Bocuse em sua última aparição na competição, em 2013. Em 2015 e 2017, o nonagenário não apareceu por conta da idade avançada e problemas de locomoção. Em seu lugar como presidente do Bocuse D'Or está seu filho, o também chef Jêrome Bocuse. 

Na edição de 2007, o representante brasileiro era Marcelo Pinheiro, à esquerda na foto, com sua ajudante ao lado e, à direita, o francês David Jobert, que veio ao Brasil para estimular a competição. Naquele ano, Marcelo terminou em 20º lugar.

Um dos pratos apresentados por Marcelo Pinheiro, em 2007. Tradicionalmente, as receitas são apresentadas numa bandeja e depois, para serem servidas aos jurados, os pratos são montados.

O competidor Adilson Batista, que em 2001 alcançou o 19º lugar em Lyon; na ponta direita no box de apresentação, o francês David Jobert.

Página da revista "Caras" em 1999 mostrava cenas da competição em Lyon, cujo representante brasileiro naquele ano era o chef Fred Frank. Então subchef do francês Emmanuel Bassoleil em São Paulo, ele alcançou o 12º lugar. Na plateia, Bassoleil e seu conterrâneo Claude Troisgros.

Bandeja com prato de peixe de Fred Frank, em 1999, incluía brandade de peixe, vieira com palmito pupunha e dedo-de-moça caramelizada, e caju confitado com camarão.

Medalha por participação do Bocuse D'Or que o chef Fred Frank guarda até hoje. Todos os competidores ganham uma.