Edição 2018 do Sirha São Paulo apresentará novo hotel modulado em contêineres

01/02/2018 | Fonte: Hôtelier News

Clique aqui para ler a matéria direto da fonte.


Na próxima edição do Sirha São Paulo, de 14 a 16 de março, será apresentado ao público, o Samba In The Box, um projeto desenvolvido pela parceria da Samba Hotéis com as empresas Eurobrás e Pokt Design + Arquitetura. Trata-se de uma alternativa rápida e criativa para a hospitalidade, com contêineres sendo utilizados como unidades hoteleiras.

Levando em consideração a ideia de que hotéis são casas de caráter temporário, o projeto tem a intenção de criar ambientes em que os hóspedes possam se sentir confortáveis e seguros, como no interior de seus lares. Para isso foram escolhidas definições claras e objetivas para os espaços de circulação e permanência, com materiais de acabamento clássicos, como madeira e carpetes, aliando-os à novidade das paredes e forro de materiais não convencionais.

O hotel será construído com módulos de container produzidos especificamente para uso habitacional que, ao contrário de contêineres marítimos, conferem um nível extra de segurança em questões ambientais e de conforto acústico e térmico. Não há a tentativa de simular paredes, pisos e tetos de alvenaria convencional, ao contrário, preferiu-se demonstrar que contêineres podem, sim, ser produtos nobres e com um charme característico.

Os módulos apresentados podem montados como blocos de montar, onde as peças se unem instintivamente para, em conjunto, formar um espaço que desperta a imaginação na criação do novo hotel. O Samba In The Box apresentado no Sirha São Paulo terá metragem de 850 m², sendo 550 m² no andar térreo e os outros 300 m² no pavimento superior. A decoração será baseada em três padrões distintos para orientar os futuros clientes sobre as opções de hotel que podem adquirir: uma acomodação de padrão mais elevado na suíte master; decoração standard na suíte padrão; e uma decoração mais econômica no dormitório coletivo, para clientes que gostariam de montar um hostel em contêineres. Os ambientes serão divididos em recepção com lounge bar, academia, um restaurante com cozinha completa e dois auditórios no térreo. No andar superior haverá uma suíte master, uma suíte padrão, um dormitório coletivo, dois banheiros coletivos e uma área de conferência para a promoção de conversas entre visitantes e fornecedores.

“Não vemos o projeto somente como uma venda de unidades habitacionais, algo comum nos hotéis tradicionais, mas sim como estratégia conjugada com a Rede Samba, pois o empreendimento sozinho não tem a capacidade de distribuição que terá juntamente com uma rede que prevê um grande aumento em número de unidades nos próximos cinco anos”, conta Guilherme Castro, CEO da Samba Hotéis.

Outros pontos que fazem do Samba In The Box um investimento inovador e interessante são: o custo de construção, mais enxuto e adaptável; a montagem feita em tempo recorde (uma unidade com 120 quartos fica pronta em 3 meses, aproximadamente); e, o mais importante, sua flexibilidade de acordo com a demanda. Em um hotel de alvenaria convencional, depois de construído, o investidor fica “preso” à demanda local. Em um Samba In The Box, é possível alterar a quantidade de quartos e até o local do empreendimento, de acordo com a demanda real aferida pós construção.

* Crédito da foto: Documenta Comunicação